Don’t fix it in the mix

Quer mixar melhor?

Preparei um guia com dicas simples e eficientes que vão mudar o jeito que você mixa.

Inscreva-se na minha newsletter e receba esse guia como presente de boas-vindas!

Não mandamos spam. Você pode deixar de receber nossos emails a qualquer hora. Powered by ConvertKit

Never try to 'fix it in the mix'

Com certeza você já ouviu essa frase. Fix it in the mix. Fix it in the master. Hmmm... Claro que não é o caminho certo. Mas eu queria elaborar um pouco mais sobre o porquê disso.

A resposta óbvia para o não para um ‘Fix it in the...'

Muitas pessoas dizem: Se você errou em algum passo durante a gravação, você não pode compensar isso na mixagem. Isso é certo. Mas é só a metade do bolo. Se você argumenta assim, você implica que a única coisa que importa em todos os passos da produção fonográfica são os aspetos técnicos. Ou seja, se você equalizou erroneamente na gravação, você simplesmente coloca o equalizador ‘certo’ na mix.
Don't fix it in the mix

Pensando um pouco além do técnico...

Mas o problema é que cada passo da produção fonográfica tem uma intenção completamente diferente! Pense no seguinte:

Objetivo da gravação

Na gravação, a sua intenção é captar o espírito da música. A essência. Isso não é só uma questão de microfonar, escolher pré-amplificadores, comprimir ou equalizar. É interagir com os músicos. Ver como eles se sentem. Saber como deixar o músico confortável na gravação (veja este post sobre isso). Saber quando chamar uma pausa. Saber quando empurrar um pouco mais para criar aquele take perfeito.

Objetivo da mixagem

Na mixagem, você precisa transmitir esse espírito. O que vale aqui é a sua interpretação do material. O que tem que ficar na frente? Quais são elementos complementares? O que você pode adicionar para levar a mix para o próximo nível (aqui entra seu estilo de mixagem!)?

Objetivo da masterização

E por último, a masterização. Não é só ‘deixar o som mais alto’ e comprimir pra caramba. É deixar bem reproduzível em vários meios de reprodução. É enquadrar no campo artístico (ou seja, encaixar com o timbre / volume de músicas de estilos comparáveis). Em caso de um album, é criar um fluxo natural de volume e pausas entre as faixas.

Resumindo...

Espero que tenha deixado mais claro que você não pode reduzir os argumentos contra um ‘Fix it in the mix’ para argumentos técnicos como posicionamento de microfones ou escolhas de pré-amplificadores.
O fato que cada passo tem um objetivo diferente deixa um conserto nos próximos passos da produção impossível. Ou seja: Se você não captou o espírito da música na gravação, como você vai ‘induzir’ esse espírito na mix? E se você não interpretou a música de forma certa na mix, como você vai consertar isso na masterização?
A resposta é simples: você não vai conseguir.
Esse post foi inspirado por um post no Pro Tools Expert que eu altamente recomendo. Espero que a tradução e os pensamentos adicionais estejam de acordo com o autor original.

Bem, falei bastante que técnica não é tudo, mas claro que também é importante, né? E quem quer melhorar seu conhecimento na área de áudio pode dar uma olhada na assinatura dos nossos cursos online! Por R$9/mês, você ganha bastante material de treinamento exclusivo.

Siga esse link e saiba mais.

Até a próxima,
Norbert
Posted in Áudio, Mixagem and tagged , , .